Mostrando postagens com marcador Reflexão do Dia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Reflexão do Dia. Mostrar todas as postagens

Obrigado Pela Sua Visita

Membra-se na rede

Mostrando postagens com marcador Reflexão do Dia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Reflexão do Dia. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Pode um cego guiar outro estudo

Lucas 6:39-42

39 E propôs-lhes também uma parábola: Pode porventura um cego guiar outro cego? não cairão ambos no barranco?
40 Não é o discípulo mais do que o seu mestre; mas todo o que for bem instruído será como o seu mestre.
41 Por que vês o argueiro no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?
42 Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não vendo tu mesmo a trave que está no teu? Hipócrita! tira primeiro a trave do teu olho; e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão.

Existe uma narrativa a respeito de Jesus neste episódio. Segundo os mais experimentados na palavra, Jesus ao propor esta parábola, vislumbrava neste momento a passagem de alguns cegos caminhando pela rua.

Porém a pergunta nada tem a ver com cegueira física. e sim com a capacidade humana de liderar.

Se existem cegos, logo existem os que veem, parece semântica, mais não é. A lição aqui proposta por Jesus não é sobre a capacidade de ver, e sim sobre liderar. O problemática da cegueira, esta na incapacidade do cego de caminhar livremente sem auxilio de nada. Há! Mas o cego pode usar muletas. Lembre-se Jesus não esta falando de cegueira, e sim de liderança cega. Usar muletas, e usar daquilo que é comum aos cegos, daquilo que é do mundo. Saul tentou vestir Davi, com a armadura dele, ouve desconforto em davi ao usar aquela armadura, ela era comum a Saul, e não a Davi. E a proposta final é não sermos lideres cegos; e sim termos visão espiritual de liderança Cristocêntrica.

Quanto a pergunta de Jesus. Pode um cego guiar outro cego? A resposta é sim, um cego pode guiar outro. Temos muitos guias cegos no mundo, na igreja, na sociedade onde residimos, em todo lugar, encontraremos lideres que enxergam, e lideres cegos, que estão caindo no abismo, levando consigo seus muitos seguidores.

Existem também lideres crianças. O que são lideres crianças? São lideres infantis, que lideram com infantilidade. Lideram com brinquedos, e levam outros a lutar por brinquedos. Experimente não dar o brinquedo que seu filho quer, ele abre o berreiro, chora, e muito. Ele quer o brinquedo. Não lidere seus discipulos a aquilo que perece, mas sim ao reino dos céus.

Temos que fazer uma escolha: Ser lider cego ou lider com visão dos céus. Em Isaias 6:5 (Então disse eu: Ai de mim! pois estou perdido; porque sou homem de lábios impuros, e habito no meio dum povo de impuros lábios; e os meus olhos viram o rei, o Senhor dos exércitos!), encontramos temos a primeira visão de um lider espiritual: Eu tenho lábios impuros; a segunda visão: eu convivo com impuros; a terceira visão de Isaias o compulgiu a mudar, ele viu as suas misérias. Sem Jesus não somos nada.

vv. 40 Não é o discípulo mais do que o seu mestre; mas todo o que for bem instruído será como o seu mestre.

Se você é cego, seu aluno será cego. Se voce tem visão, seu aluno tera visão.

O Que você esta enxergando na Igreja. A gordura do rebanho ou um rebanho que precisa ser pastoriado.

Contudo, como ter visão?

vv. 41 Por que vês o argueiro no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho?

O texto salta aos nossos olhos. Sacrificio……… antes de tirar o arqueiro do olho de meu irmão, eu sacrifico a Deus primeiro, retiro a trave dos meus olhos. Faça esta oração, se você viu problemas na liderança de seu lider, criticou, reclamou, ficou aborrecido, esquecendo-se da grande trave que o impedia de ver quem você é.

Sacrificar, é colocar-se no lugar do outro, Jesus foi sacrificado por nós, Ele foi colocado em nosso lugar na cruz.

Ele não quer, que fiquemos cego. Ele quer nos curar de nossa cegueira. Ele quer nos transformar em lideres visionários. Lideres que contemplaram a Nova Jerusalém, e o único desejo e levar conosco, como guias, nossos liderados para lá.

O Lider Jesus fez isso. Ele disse: Eu vou para o Pai, preparar lugar, para onde Eu esteja, estejai vós também.

Aleluia, Glória a Deus, Isto é liderança com visão, visão do céu.

Ore! Lute! Não aceite ser cego. Diga para Jesus: “Jesus Filho de Davi, tenha misericórdia de mim”.

Filho de Davi, que visão extraordinária, o cego viu um reinado eterno (filho de Davi), ninguem em sua época o havia chamado assim. Este cego, era um cego fisicamente falando, porém a sua visão aguçada do reino dos céus, o fez ver, quem estava passando diante dele. O Rei eterno, a raiz de Davi.

Se você não mais Jesus, Como Rei eterno ( Filho de Davi), peça com fé, e Ele te ouvirá

Igreja Batista Ebenezer de Cristais

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Vitoria no deserto Salmos 78.19

Quando o povo de Deus caminhava no deserto em direção a Canaã, perguntaram várias
vezes se seria possível Deus fazer uma mesa no meio do deserto. Por diversas vezes Deus preparou não apenas uma mesa, mas um banquete para eles em meio ao deserto.
O que é um deserto? É um lugar onde não tem nada nem ninguém. Quando nos sentimos sozinhos, pensamos que estamos em meio a um deserto.
Você já se sentiu sozinho como se estive num deserto? Já passou por desertos?
Saiba que o deserto não é lugar de morar, mas pode ser um lugar de passagem temporária. Seu lugar não é no deserto. Você passa por ele e adiante vem a vitória.
É possível ter uma mesa no deserto?
Sim. É possível! Vamos refletir nas palavras deste Salmo e compreender como Deus nos prepara uma mesa no deserto:

1- Abrigo da nuvem: Salmos 78.14
O povo de Deus era protegido pelo Senhor que os acompanhava com uma nuvem chamada Shequinah representando a Glória de Deus.
Esta nuvem durante o dia era sombra contra o calor forte do deserto e durante a noite tinha aparência de fogo iluminando e aquecendo o povo contra o frio e escuridão do deserto.
Quando passamos pelos desertos da vida, pelo sol escaldante, o frieza e escuridão, a presença do Senhor nos acompanha. Ainda que você passe “pelo vale da sombra da morte” (Salmos 23.4) não tenha medo por que “de dia não te molestará o sol nem de noite a lua” (Salmos 121.6).
Quando está sozinho você sente queimar ou esfriar seu coração?
A glória do Senhor te protegerá!

2- Água da rocha: Salmos 78.15,16
Quando o povo de Deus caminhava pelo deserto sentiram sede e clamaram a Deus que mandou Moisés tocar na rocha de onde fluiu água abundante (Números 20.8). Também encontraram águas amargas e Deus transformou em água doce (Êxodo 15.23-25).
O calor do deserto nos faz sentir muita sede. É nesse momento que Jesus, a Água da Vida (João 4.14) pode nos saciar plenamente.
Se você tem sede, Jesus te diz: “Se alguém tem sede, venha a mim e beba. Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva” (João 7.37,38).
Se você passar por um deserto, lembre-se que o Senhor promete que se um servo de Deus “passando pelo vale árido, faz dele um manancial; de bênçãos o cobre a primeira chuva” (Salmos 84.6). Você pode até passar por um deserto, mas será transformado em um manancial de bênçãos.
Você tem sentido sede? Está insatisfeito?
Jesus é a Água da Vida e quer te saciar!

3- Alimento do céu: Salmos 78.24-27
Além do abrigo do calor e frio e também a água para saciar a sede no deserto, Deus proveu para seu povo o alimento. Eles comiam pela manhã pão que chovia do céu, conhecido como Maná e à tarde vinham as codornas que apanhavam para comer sua carne. Pão no café e carne no jantar. Seu cardápio estava completo.
Deus sempre nos supre com alimento: “Fui moço e já, agora, sou velho, porém jamais vi o justo desamparado, nem a sua descendência a mendigar o pão” (Salmos 37.25).
No meio do deserto Jesus multiplicou pães duas vezes (Mateus 16.9,10). Cinco pães para cinco mil pessoas (Mateus 14.17-21) e sete pães para 4 mil pessoas (Mateus 17.36-38).
Jesus é o Pão da Vida. Ele disse: “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne” (João 6.51).
Vivemos em dias que se cumpre a profecia: “Eis que vêm dias, diz o SENHOR Deus, em que enviarei fome sobre a terra, não de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR.” (Amós 8.11).
Neste deserto no mundo, onde nada satisfaz o ser humano, só Jesus pode alimentar plenamente sua vida.
Você tem sentido falta de alguma coisa?
Jesus Cristo é o único que pode te satisfazer!

Deus te prepara uma mesa no deserto!
-CONCLUSÃO: Salmos 23.5 “Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo e o meu cálice transborda”
Jesus esteve no deserto por quarenta dias e noites. Ali enfrentou o sol quente, frio, fome, sede e solidão. O inimigo e suas feras o tentaram. Depois de tudo isso “eis que vieram anjos e o serviram” (Mateus 4.11).
Tudo isso Jesus passou para nos ensinar que passamos por desertos, mas depois temos a vitória. Jesus enfrentou o deserto para nos fortalecer. Ele sofreu por você para te ensinar que não estará sozinho.
Quanto estiver se sentindo num deserto, lembre-se que a Presença do Senhor é como um abrigo para você te protegendo do calor e do frio. Jesus te sacia com água da vida. Deus faz fluir água da rocha e chover pão e carne do céu! O Senhor te sustenta.
Igreja Batista Ebenezer de Cristais

"Não é bom agir sem refletir; e o que se apressa com seus pés erra o caminho." Provérbios 19:2

Este texto mostra a importância de ser paciente, cauteloso, e prudente para esperar que as coisas aconteçam no momento oportuno. Apressar as coisas não é uma decisão prudente, é preciso saber esperar para que se possa ter um aproveitamento total de qualquer situação. O amadurecimento é adquirido somente com o tempo, e as experiências precisam ser vividas dia-a-dia.

Oração: Querido Pai, por favor, dê-me a sabedoria para enxergar o que é melhor, correto e verdadeiro, ajuda-me a esperar com paciência o momento certo para que as coisas aconteçam, não permita que eu seja precipitado e não permita que eu venha me desviar do Seu caminho, porque a minha alegria é Lhe servir e honrar. Em nome de Jesus, Amém.

Igreja Batista Ebenezer de Cristais

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

QUINTA FEIRA TEM ORAÇÃO NO MONTE A PARTIR DAS 7:30 HORAS SAINDO DA PRAÇA DA VILA

Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também." Lucas 6:38

Pensamento: Deus estabeleceu o princípio de plantio e colheita em todos os sentidos da vida, na natureza é muito evidente, podemos ver o plantio de uma semente e o modo como ela nasce e se multiplica dando seu fruto. O mesmo princípio vale para os recursos que o Senhor nos deu para administrar e também para compartilhar. A generosidade é um dom de Deus, quando abençoamos alguém estamos praticando o amor, Deus se alegra disso e derrama sobre nós uma boa medida, sacudida, recalcada e transbordante !!!

Oração: Pai querido, ensina-me a abençoar a vida das pessoas ao meu redor, mostra-me como devo abençoar estas pessoas, derrama sobre mim o Espírito Santo para que eu tenha o dom para compartilhar e o dom para amar. Perdoa-me pelo apego que muitas vezes eu tenho tido pelas coisas materiais, que pertencem a este mundo, e não tem significado eterno e verdadeiro. Quero a partir de hoje ser um abençoador do Senhor, um instrumento nas Suas mãos, quero ser usado por Ti, para alcançar outras vidas através do Seu amor. Eu oro em nome de Jesus. Amém.
Igreja Batista Ebenezer de Cristais

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus." Romanos 8:1

Nossa confiança está na pessoa de nosso SENHOR JESUS CRISTO. Muitos não dão valor a este nome porque não sabem o verdadeiro valor que Ele tem, pois JESUS tira de mim, e de você amigo e irmão todo o peso, perturbação acusação e condenação que há sobre nós. Se você depositar essa confiança na pessoa de nosso SENHOR JESUS CRISTO, você verá o poder de transformação em sua vida. Porque o maior milagre não é a cura física e sim a espiritual. Pois esse corpo se corrompe mais o espiritual não.

Oração: Senhor ajude-me a ficar firme nos teus caminhos e a não me desviar deles. Que cada dia o Senhor me livre, das muitas quedas que cometemos porque o inimigo insiste em nos desanimar colocando culpa e peso sobre nós, querendo que não venhamos a confiar no que CRISTO fez para sempre, por amor de todos nós, na cruz do calvário.

Igreja Batista Ebenezer de Cristais

terça-feira, 7 de julho de 2015

O que a Bíblia diz sobre o homossexualismo e o homosexual?


Esta é a última pergunta de sua carta. Geralmente deixamos para o fim o que queremos perguntar primeiro. Como você lê a Bíblia, acredito que não esteja querendo saber minha opinião sobre o homesexualismo, mas o que Deus fala de tal prática na Bíblia. A opinião das pessoas podem até ser respeitadas, mas há momentos quando precisamos decidir se obedecemos a opinião das pessoas ou a Palavra de Deus. E entendi que é esta que é a opinião importante para você.

Você deve estar em dúvida se deve aceitar realmente o que diz a Bíblia, que foi escrita há tanto tempo, ou se o melhor seria simplesmente se deixar levar pela opinião pública e pelo senso comum. A opinião pública irá cada vez mais considerar a prática do homossexualismo apenas uma opção de vida, porém é importante você decidir quem deve dirigir sua vida: a opinião pública ou Deus. Um dia todos nós deixaremos a opinião pública para trás - o que os outros pensam e dizem - e iremos nos encontrar com Deus. Lembre-se de que foi a opinião pública que decidiu pela soltura de Barrabás e condenação de Jesus.

"Qual desses dois quereis vós que eu solte? E eles disseram: Barrabás. Disse-lhes Pilatos: Que farei então de Jesus, chamado Cristo? Disseram-lhe todos: Seja crucificado." Mateus 27:21, 22

O homossexualismo não é doença, e na Bíblia ele é descrito como até mais do que um pecado: é uma perversão e abominação diante de Deus. Não sou eu quem afirma isso, mas o mesmo livro que você tem aí com você e costuma ler. Veja bem que estou me referindo à prática, não à pessoa do homossexual. Deus ama cada pessoa, independente de como ela seja, mas não ama práticas que são contrárias à Sua própria natureza. É importante que você entenda isto, pois a primeira reação que temos contra Deus é a de tentarmos nos defender de algo que Ele condena, achando que não somos amados. O testemunho abaixo é de alguém que conheceu este amor:


"Espero que você compreenda que não importa o quão longe você tenha ido em seu estilo de vida homosexual, nunca é tarde demais para mudar, nunca é tarde demais para voltar ao lar. Deus tem o poder de reformá-lo completamente em corpo, alma e espírito. Por causa do que Deus fez por mim, o velho Jerry Arteburn acabou. Ele se foi. E sou uma nova pessoa através do poder de Deus. Creio que você queira mudar. Espero que você sinta que deva mudar. Você precisa tentar. Existe um caminho melhor. Deus tem um plano melhor. Com a decisão de buscar a vontade de Deus para sua vida, ela pode ser uma vida com significado." Jerry Arterburn, falecido em 13 de Junho de 1988 aos 38 anos, de AIDS.

A Bíblia está cheia de passagens condenando tal prática. Os homens de Sodoma queriam conhecer os anjos que se hospedaram na casa de Ló. Daí vem a palavra "sodomita" que é o homem que procura outro homem para possuí‑lo como a uma mulher. Tanto o que faz o papel de homem como o que faz o papel de mulher estão pecando e cometendo uma abominação:

"Não haverá prostituta dentre as filhas de Israel; nem haverá sodomita dentre os filhos de Israel. Não trarás o salário da prostituta nem preço de um sodomita à casa do SENHOR teu Deus por qualquer voto; porque ambos são igualmente abominação ao SENHOR teu Deus.... Com homem não te deitarás, como se fosse mulher; abominação é... Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação" Dt 23.17; Lv 18:22; 20:13

Em algumas traduções, ao invés de "sodomitas" a expressão usada é "rapazes escandalosos", "rapazes alegres" (daí usar a palavra inglesa "gay" que significa "alegre"), "prostitutos cultuais" ou "prostitutos sagrados" (porque os israelitas tinham incorporado o sexo aos rituais religiosos, como faziam os pagãos) (1 Reis 14.24; 15.12), e os homossexuais são novamente citados no Novo Testamento, em Romanos 1.26,27, tanto com respeito ao homem como à mulher (lésbicas, lesbianismo), prevendo aí um juízo que cairia sobre seus próprios corpos, sem contudo identificar especificamente que juízo seria esse:

"Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro." Rm 1:26,27

Li na revista Newsweek a reportagem sobre o médico que descobriu que a homossexualidade é uma alteração existente no cérebro. O curioso é que o médico revela ser homossexual desde criança, e que isto sempre lhe dava uma intranquilidade de consciência, até descobrir que era algo congênito (de nascença). Fico na dúvida se ele descobriu alguma evidência científica ou se descobriu tão somente algo que queria descobrir. Mas o artigo mostrava que tudo não passava de uma teoria, assim como a teoria da evolução. Ou seja, não há provas.

Não nego que existam pessoas que nascem com mais hormônios do sexo oposto, mas isto não é justificativa para que cometam alguma torpeza. Talvez sejam até mais tentados em sua carne do que aqueles que têm uma predominância de hormônios de seu próprio sexo, mas nada justifica que venha a praticar um ato sexual abominável a Deus. Tentar usar o argumento de excesso de hormônios (masculinos ou femininos) para justificar o homosexualismo ou lesbianismo é o mesmo que usar o argumento da pobreza para justificar o crime. Como diz o ditado, você não pode evitar que as andorinhas voem sobre sua cabeça, mas pode impedir que façam ninhos em seus cabelos.

Há homens claramente efeminados (com características femininas), de nascença, modo de criação ou devido a um excesso de hormônios femininos, que se casam, têm filhos e são felizes como homens. Devemos lembrar que o homossexualismo é tratado, na Bíblia, não apenas como um pecado, mas como uma abominação. O que pratica um ato sexual condenado por Deus é culpado daquele pecado, não importando se tenha alguma tendência fisiológica para tal.

Isto porque são necessários alguns passos até se chegar ao ato, passos estes que poderiam ser evitados se a pessoa simplesmente quisesse evitá‑los. Uma pessoa nascida em meio a bandidos e assaltantes pode ter a tendência de se tornar um bandido e assaltante, mas isto não a isenta da culpa se vier a praticar um crime. (Aliás, o crime é praticado em qualquer classe social e a grande maioria das pessoas pobres são pessoas honestas, não se valem da desculpa da pobreza para poderem roubar). Nossa carne certamente se inclinará para o mal, pois a Palavra de Deus diz que "a inclinação da carne é inimizade contra Deus" (Rm 8.7).

Aquele que é nascido de novo tem uma nova vida e possui o Espírito Santo habitando em si. Este lhe dará vitória contra qualquer tendência natural de nossa carne. Se acharmos que a inclinação de nossa carne deve ter livre curso, então temos que dar livre curso também aos outros desejos que brotam no coração de todos, ou seja, de praticarmos o que bem entendermos, matando, roubando, ferindo e praticando todo tipo de torpeza.

Talvez alguém diga que é diferente de matar ou roubar, pois não faz mal aos outros, que homosexuais são cidadãos que podem viver uma vida respeitável, que devem ser respeitados etc. Sim, é verdade. Conheço homossexuais que são muito mais honestos e respeitáveis do que muita gente que vive com a Bíblia debaixo do braço. Além disso, de acordo com as leis que temos na maioria dos países tal prática não pode ser comparada àquelas que costumamos enxergar como crimes contra o ser humano e a sociedade, e em alguns lugares tratar um homossexual com discriminação pode ser considerado crime.

Mas não é esta a questão que está sendo tratada aqui, não me propus a escrever aqui de como os homens enxergam isso ou aquilo, mas de como Deus enxerga e diz em sua Palavra. E se você crê que a Bíblia é a Palavra de Deus, convém analisar a prática sob esse ponto de vista, ou descartá-la de vez para ter a opinião pública ou sua vontade própria como bússolas de sua vida. A responsabilidade é sua e é você quem terá de prestar contas de seus atos a Deus.

Entenda que o que escrevo aqui não é uma crítica à pessoa homosexual, mas à prática da homossexualidade, e também não estou me baseando no modo como a sociedade aceita ou deve aceitar determinadas práticas. Não sou melhor do que qualquer pessoa e jamais poderia me colocar na posição de juiz. Eu mesmo sou suscetível a qualquer prática mais ou menos prejudicial ou contrária à Palavra de Deus e, como todo e qualquer ser humano, estou incluído na condenação genérica da qual a Bíblia fala e que coloca todos nós na mesma condição: pecadores necessitados de um Salvador. Portanto, não são seres humanos falhos que devemos tomar como referência, mas o que Deus diz em Sua Palavra.

"Como está escrito: Não há um justo, nem um sequer... Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só... Não há temor de Deus diante de seus olhos... para que toda a boca esteja fechada e todo o mundo seja condenável diante de Deus... Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus... Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus." Rm 3

Evidentemente, a tendência na sociedade será cada vez mais de aceitação de diferentes inclinações sexuais, sob a alegação de se tratar de opção pessoal e não implicar em dano à sociedade como um todo. Até mesmo as leis tenderão a reconhecer uniões do mesmo sexo como válidas para preservar os direitos das pessoas envolvidas, como acontece em qualquer sociedade entre duas pessoas. São questões civis legisladas por homens e que acabarão definidas pelos legisladores e serão obedecidas pelos cidadãos.

Obviamente nisso não se inclui a idéia de casamento gay defendida por alguns, já que isso seria uma triste caricatura de uma instituição divina criada para o relacionamento entre um homem e uma mulher para, entre outras coisas, auxílio mútuo, procriação e, principalmente, representar Cristo e Sua noiva, a Igreja.

Portanto, o ponto aqui não é o que a sociedade aceita, o que as leis dizem do ponto de vista de uma relação civil entre duas pessoas ou o que as pessoas querem fazer por escolha própria. O ponto é: Deus aceita a homosexualidade como algo normal para Ele? Não. Deus pode amar um ateu, mas não irá amar o ateísmo, contrário à Sua própria existência. Ele pode amar o homossexual, mas não irá amar o homosexualismo, contrário ao Seu plano original da Criação:

Disse Jesus: "Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem." Mc 10:6-9

Assim como Deus faz, devo amar e respeitar todas as pessoas, independente do estilo de vida ou preferência sexual que escolheram, mas isso não implicará que eu deva aceitar ou concordar com suas práticas ou com o modo de vida que escolheram. Você queria saber o que a Bíblia diz do homosexualismo e eu não poderia amenizar o que encontro ali.

Lembre-se de que qualquer verdadeiro cristão deve proceder como o Senhor Jesus procedeu quando andou neste mundo: Ele sempre amou o pecador e detestou o pecado. Todas as pessoas devem ser amadas como Deus as ama, independente de seu modo de vida. Mas amá-las não implica em aceitar seu modo de vida, principalmente quando temos diante de nós um testemunho claro daquilo que Deus pensa sobre o assunto.

sábado, 27 de junho de 2015

Número da Besta

O número da besta ou marca da besta, é, de acordo com a tradição cristã, o número correspondente ao sinal da besta.

Os manuscritos gregos (na realidade cópias de um protótipo que, ainda que outros discutem a originalidade, foi escrito em hebraico) escrevem a frase como χξϛ´ (666 em forma numérica grega) ou algumas vezes ἑξακόσιοι ἑξήκοντα ἕξ ("seiscentos e sessenta e seis", por extenso).

O texto grego de Codex Alexandrinus do Novo testamento recita:
"Hōde hē sophia estin; ho echōn noun psēphisatō ton arithmon tou thēriou, arithmos gar anthrōpou estin; kai ho arithmos autou hexakosioi hexēkonta hex."

Na Vulgata, ou Bíblia latina:

"Hic sapientia est. Qui habet intellectum, computet numerum bestiae. Numerus enfim hominis est, et numerus eius est sescenti sexaginta sex'."

A tradução da tal profecia para o português seria:

"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na mão direita ou na testa, para que ninguém possa comprar ou vender , senão aqueles que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome. Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, porque é número de homem; e seu número é seiscentos e sessenta e seis."
A origem da profecia está associada ao trecho das Escrituras Sagradas Judaico-Cristã (o termo Judaico-Cristão é apropriado para caracterizar o conjunto de livros composto pelo Velho Testamento e Novo Testamento; a Bíblia Sagrada dos Cristãos), mais precisamente no Livro de Apocalipse (Livro de Revelações escrito por João Evangelista), no capítulo 13. O livro de Apocalipse trata de revelações dadas pelo Deus Bíblico, relatando acontecimentos proféticos de um determinado período do tempo da história, a saber, o último período da contagem dos dias antes do fim dos tempos. Sua essência foi usada como fonte de superstições no decorrer da história.

A associação do tipo de marca tratado em Apocalipse 13 faz ênfase ao costume comum de se marcar aquilo que lhe é de propriedade. Emblemas feitos a ferro e aquecidos ao fogo são usados para marcar e identificar animais de porte econômico como gados, cavalos, etc. Uma associação provável do uso de marcas em homens está relacionada à téssera, sinal marcado sobre os escravos romanos. Deste modo, o autor do Apocalipse estaria associando o uso de um sinal aparente, a marca da Besta, a um controle de escravização do homem, através de um sistema social, político, econômico e religioso (Apocalipse 13:16-17)

O número 6 das bestas-feras e o número de homem[editar | editar código-fonte]
"Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta, porque é número de homem; e seu número é seiscentos e sessenta e seis." (Apocalipse 13:18)

O número chave que compõe a expressão "seiscentos e sessenta e seis" é o número 6 (seis), que aparece de forma triplice na sua forma descritivamente numérica: 666.

"E disse também Deus: Produza a terra seres vivente, conforme a sua espécie: animais domésticos, répteis e bestas-feras, segundo a sua espécie. E assim se foi. E fez Deus as bestas-feras, segundo a sua espécie,e os animais domésticos segundo a sua espécie,e todos os répteis da terra conforme a sua espécie. E viu Deus que isso era bom.

Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; e domine sobre os peixes do mar, e sobre as aves dos céus, e sobre os animais domésticos, e sobre toda a terra, e sobre todo réptil que se rastejam pela terra... E viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom; houve tarde e a manhã, o dia sexto" (Gênesis 1:24-26,31)

A primeira aparição bíblica que leva a citação ao número 6 aparece no livro de Gênesis. Em Gênesis capítulo 1, no trecho b do versículo 31, lê-se: "e foi a tarde e a manhã: o dia sexto". Perceptivelmente, durante o processo da criação dos seres viventes que estão enquadrados ao período do dia sexto da Gênesis, entre outras criaturas, aparecem: as bestas-feras (Gênesis 1:24) e o próprio homem (Gênesis 1:26).

666 e a trindade satânica[editar | editar código-fonte]
"E da boca do dragão, e da boca da Besta, e da boca do falso profeta vi saírem três espíritos imundos, semelhantes a rãs, porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo para os congregar para a batalha, naquele grande Dia do Deus Todo-Poderoso" (Apocalipse 16:13-14)

No Apocalipse, todo o complexo dado para a formação da profecia do fim dos tempos possui uma estrutura revelada em forma de uma trindade: o dragão, a besta e o falso profeta. Visto que 6 é o número do homem, pois foi criado no sexto dia por Deus (Gênesis 2:26-31) ; o número "666" representa uma trindade humana imitando a trindade divina, a trindade: Pai, Filho e Espírito Santo. Sendo assim, três vezes seis deve referir-se a uma estrutura humana homem que se apresenta como a trindade divina. Assim como os imperadores romanos e muitos outros, antes e depois deles, o Anticristo se julgará igual a Deus (2 Tessalonicenses 2:4).

A besta[editar | editar código-fonte]
Durante o decorrer da história, pessoas, organizações e mercadorias acabaram por receber o atributo de serem manifestações da Besta por possuírem um perfil apologético, não só em relação ao número referenciado, mas também por terem um perfil com índole maquiavélica, soberba e profana, segundo referências em costumes de cunho cristão. Um exemplo é dado pelos estudiosos que editaram uma versão da Bíblia chamada "Bíblia de Jerusalém" (ISBN 85-349-2000-1), que atribuem a Nero o Número da Besta a que se refere João em Apocalipse, já que em grego e em hebraico eram atribuídos valores numérico às letras segundo o lugar que elas ocupavam no alfabeto, coincidindo a quantificação do nome de Nero (César-Neron) com o número; e, juntando o fato de que os cristãos, na época em que foi escrito o Apocalipse, viriam a sofrer sangrentas perseguições por parte de Roma e do Império romano. Tal conclusão, porém, não representa o entendimento unânime entre as Igrejas Cristãs, que entendem que o conteúdo tratado por João Evangelista são de acontecimentos futuros (PROFECIAS) à época da transcrição do Apocalipse.

Segundo estudiosos, o mencionamento bíblico faz referências a duas bestas: a Besta que sobe do mar (versículo 13:1a) e a Besta que sobe da terra (versículo 13:11a); dando ênfase à duas atividades distintas de uma mesma manifestação proposital. Um monstro com várias cabeças, adornada com chifres e diademas, que se ergueria no cenário profético impactando aqueles que se deparam com tal profecia.

A besta que subiu do mar[editar | editar código-fonte]
"Então vi subir do mar uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças nomes de blasfêmia." (Apocalipse 13:1)

Pesquisadores da profecia, em revelação apocalíptica sobre a Besta, levam a crer que as revelações sejam um sistema burocrático e político de escala mundial. Uma organização de um poder onde dois grupos: pessoas de cargos e supostos estandartes; são bíblicamente referenciados por palavras chaves como: cabeças, chifres e diademas (versículo 13:1a), e, leopardo, urso, leão e dragão (versículo 13:2); respectivamente.

A besta que subiu da terra[editar | editar código-fonte]
"E vi subir da terra outra besta, tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como dragão." (Apocalipse 13:11)

Pesquisadores bíblicos costumam afirmar que, neste trecho, esta segunda etapa da revelação da Besta levaria a um personagem bíblico identificado pelos estudiosos como o Anticristo (1ª João 2:18), que se exaltará como Deus e exigirá ser adorado como tal. As palavras chaves aqui são: cordeiro e dragão. As interpretações aqui dadas dão ênfase à palavra cordeiro com a intenção de pôr-se semelhante ao Messias, o Cristo, que também é chamado de "O Cordeiro de Deus" que tira o pecado do mundo; e a palavra dragão como um complemento profético distinguindo-o como uma espécie de "Messias do Diabo", já que a palavra Dragão o próprio Apocalipse dá o seu significado: "E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo e Satanás, que engana todo o mundo" (Apocalipse 12:9).

Este trecho revela o surgimento de um suposto remidor (cordeiro) que fará oposição (dragão) a Cristo, e exigirá ser adorado, e sua adoração acarretaria em total idolatria, gerando a desqualificação do Deus bíblico (1ª João 2:22; 1ª João 4:3; 2ª João 1:7), acarretando a condenação perpétua do indivíduo que a tal criatura adorar (Apocalipse 14:9-11).

O Anticristo[editar | editar código-fonte]
Ver artigo principal: Anticristo
Será alguém que pretenderá ocupar o lugar de Cristo, opondo-se a Ele (1ª João 2:18; 2ª João 7; Apocalipse 13:1-2). Muitas de suas atividades são citadas em profecias no Velho Testamento. Chamado de "O Assolador" (Daniel 9:27 e 12:11), terá seu foco no oriente médio, em especial, Israel e Jerusalém, onde estabelecerá uma aliança de paz com as nações vizinhas e onde fará a sede do seu governo mundial. Segundo uma das correntes que interpreta as profecias bíblicas, seu governo terá dois períodos: um de paz (Ezequiel 38:8) e outro de traição e guerra (Ezequiel 38:10-12,15-16). Cada período durará três anos e meio, formando um total de sete anos de governo.2

Ascensão ao poder[editar | editar código-fonte]
O Anticristo será um homem que surgirá em meio às crises mundiais existentes, de forma que sua aparição surpreenderá o mundo. Seu governo se tornará, em um curto espaço de tempo, num forte governo mundial unificando com sucesso todos os blocos de relações econômicas e políticas existentes no momento. Com a finalidade de trazer a paz, será reconhecido e aceito, e combaterá as crises mundiais implantando um largo sistema de integração financeira: o sistema 666 de compra e venda (Apocalipse 13:16–18). Neste momento, com o auxílio de um "deus estranho" (Daniel 11:39, Isaías 14:12), exaltará a si próprio como sendo o "Cordeiro de Deus" que tira o pecado do mundo e exigirá ser adorado como Deus, declarando-se então ser o Messias de Israel (Daniel 11:36). Será então que, perseguirá todo aquele que, na Terra, não se curvar a ele para adora-lo como Deus, manifestando-se ser o que a Bíblia chama de "O Filho da Perdição" (2ª Tessalonicenses 2:3), o então Anticristo. Descumprirá o seu tratado mundial de paz e estabelecera então a guerra. Se voltará contra Israel e Jerusalém no lugar do antigo templo, para lá pôr o trono do seu governo mundial (Daniel 11:31).3

A queda[editar | editar código-fonte]
"E da boca do dragão, e da boca da Besta, e da boca do falso profeta vi saírem três espíritos imundos, semelhantes a rãs, porque são espíritos de demônios, que fazem prodígios; os quais vão ao encontro dos reis de todo o mundo para os congregar para a batalha, naquele grande Dia do Deus Todo-Poderoso... E os congregaram no lugar que em hebreu se chama Armagedom... Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão os que estão com ele, chamados, eleitos e fiéis" (Apocalipse 16:13-14,16; 17:14)

Vulgarmente conhecida por muitos como a 3ª Guerra Mundial, a Batalha do Armagedom terá como principal foco a nação de Israel, onde as nações de todo o mundo, sob a representação do governo do Anticristo, pressionarão Israel e, com o pretexto de que Israel não reconhecera o Anticristo como autoridade divina, sitiará grande exército ao redor da nação para guerrear contra Israel. Segundo profecias citadas na bíblia, o Deus de Israel intervirá na guerra a favor da nação de Israel enviando a Jesus Cristo que Israel antes não reconhecera como o Messias. Nesta ocasião, Israel o verá e reconhecerá a Jesus Cristo como o tal.

O sistema 666 de compra e venda[editar | editar código-fonte]
"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na mão direita ou na testa, para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome... e o seu número é seiscentos e sessenta e seis." (Apocalipse 13:16-18)

Com o passar dos tempos, este trecho da revelação do Apocalipse vem tomando forma, mostrando que o cumprimento de tal profecia está em evidência e em estado bastante avançado para os dias atuais. O primeiro aspecto a se analisar é a ascensão de um sistema de compra e venda diferenciado do convencional, indicando que o dinheiro em espécie, como fora usado durante muito tempo, sairá de circulação. O surgimento de um suposto "sinal" fará a substituição do dinheiro.4

Instituições financeiras[editar | editar código-fonte]
À medida que o tempo avança, os grandes centros financeiros vão, aos poucos, substituindo suas formas de transação financeira. Os bancos vão, cada vez mais, adotando sistemas de automação capazes de substituir por completo o dinheiro em espécie.

Com o avanço tecnológico, hoje é capaz de criar gerenciamento monetário digitalmente, utilizando os cartões eletrônico que mantém um controle financeiro sem a utilização da cédula monetária. A modernização de bancos por computadores e a utilização de protocolos de comunicação como os da internet, junto com a utilização de sistemas de sinais de comunicação sem fio (Sinais de ondas sonoras e magnéticos, satélites, Redes WiFi, bluetooth, etc.), estão cada vez mais aproximando o fluxo de transação financeira de todos os cidadãos aos relatos proféticos da bíblia.

Codigo de produtos industrializado[editar | editar código-fonte]
Com a industrialização do comércio, surgiu a necessidade de se criar uma identificação para os produtos comercializáveis. Esta identificação, representada por uma estrutura de série numeral ou alfanumérico, atribui ao produto algumas características sobre, por exemplo, a origem de fabricação e o lote do produto.

A partir da criação desta identificação, veio o avanço computacional no sentido de melhorar o manuseio destes codigos pelos seus fornecedores e revendedores. Várias formas de utilização de codificação e leitura foram desenvolvidos. O Código de Barras é hoje a mais amplamente usada no momento onde, na aplicação comercial, encontra-se um leitor ótico de barras. Na utilização das barras, ficou definido as barras laterais e uma barra central como códigos de controle com valores de codificação com o número 6, dando ênfase a formação do código '6-6-6' sobre os codigos dos produtos comercializados. É bem provável que esta tecnologia possa ser substituida por uma outra tecnologia ainda mais sofisticada, no sentido de aprimorar o controle de produtos industrializados e descartando, assim, o uso deste sistema de codificação em barras.5

Internet Protocol Version 6 (IPv6) e o 666[editar | editar código-fonte]
A principal tecnologia de troca de informação está, atualmente, voltada para a internet. Com a criação da internet, os meios de compartilhamento de informação tem se convergido para os protocolos de comunicação TCP e IP, formando, assim, o conhecido entre muitos profissionais e usuários de redes de computadores: o protocolo TCP/IP. Está previsto uma ampliação na estrutura IP de endereçamentos de pontos lógicos de conexão através de uma nova versão do protocolo IP, que atualmente utilizando a versão 4 (tecnicamente conhecido como IPv4). Esta atualização é chamada de IPv6. A Internet Society, responsável pela definição dos padrões de uso da internet, está prevendo a mudança definitiva para o novo protocolo para o dia 06 de 06 (junho) de 2012.6

Profecia e revelação[editar | editar código-fonte]
A aparição do número da Besta marca na história bíblica o início da rebeldia completa de um povo ou nação pela representação de um governo mundial, o governo do Anticristo. O número da Besta representa a falsa adoração, ou seja, a idolatria ao Anticristo. No final terminará com o 666 (ou a vinda do Anticristo), aquele que deseja ser como o "Deus salvador", mas só Jesus Cristo salva. A Profecia visa levar ao ser humano o entendimento das coisas futuras que irão acontecer, para que quando vierem a acontecer o cristão não seja pego de surpresa, deste modo, no começo do Apocalipse, o escritor recebe a mensagem do Anjo para dar ao seus servos, e estes servos são o povo deste Deus verdadeiro, o Deus de Israel.

Mistério: A Grande Babilônia[editar | editar código-fonte]
"E levou-me em espírito a um deserto, e vi uma mulher assentada sobre uma besta de cor de escarlata, que estava cheia de nomes de blasfêmia, e tinha sete cabeças e dez chifres. E a mulher estava vestida de púrpura e de escarlata, e adornada com ouro, e pedras preciosas e pérolas; e tinha na sua mão um cálice de ouro cheio das abominações e da imundícia da sua prostituição; E na sua testa estava escrito o nome: Mistério, a grande babilônia, a mãe das prostituições e abominações da terra." (Apocalipse 17:3-5)


Fornalha Ardente do Rei Nabucodonosor. Daniel 3.
No modelo Bíblico, Deus está no governo de todas as coisas. Mas o homem sem o conhecimento pleno do governo de Deus, procura para si um governante que lhe traga direção sobre os rumos que uma nação deva tomar. Porém, esse modelo não fora o planejado por Deus, pois o homem não pode instituir para sí leis e governantes.

A Bíblia revela que em determinado momento, o povo israelita (nação escolhida para proclamar o Reino de Deus) pede para que se institua um governante, um rei que governe sobre o povo. E Saul, contra a vontade de Deus, foi escolhido pelo povo para ser o primeiro rei sobre Israel. Saul reinou, mas, falhou perante Deus instituindo leis que não se enquadravam com as Leis dadas a Moisés, pois as leis dos homens não são as Leis de Deus.

Vendo Deus a pouca fé do povo, procurou instituir um ungido (escolhido por Deus) para reinar sobre Israel, e assim o fez com David, filho de Jessé, descendente da tribo de Judá, um entre os doze filhos de Jacó (as doze tribos de Israel). Assim, David e sua descendêcia formaram a linhagem dos reis de Israel, mas Deus sempre julgando seus reis segundo as Leis de Deus dadas a Moisés, e não segundo as leis dos homens.

O modelo bíblico é o modelo de governo de David (no qual Jesus Cristo é descendente), ao qual todo o povo é sujeito as Leis de Deus e adoração ao seu Criador. Mas o modelo de governo do Anticristo é retratado na Bíblia (em paralelo ao reino de Saul), como o governo da Babilônia que, sem reconhecer o Deus da Bíblia como o verdadeiro Deus, arquiteta leis próprias, criando e servindo a deuses estranhos, fazendo com que o povo seja sujeito as leis de homens e não as Leis de Deus, acarretando assim o estado de escravidão de um povo ou nação, pois o Deus bíblico não permite a opressão do seu povo quando pode ocorrer a privação da livre adoração ao Deus verdadeiro.

A Estátua do rei da Babilônia[editar | editar código-fonte]
No trecho bíblico referente a época da Babilônia, temos o relato de Daniel sobre a exaltação do governo da Babilônia como forma de instituição de uma Religião mediante o governo de Nabucodonozor. Uma estátua foi erigida para adoração, na qual possuía medidas de 60 covâdos de altura e 6 covados de largura, a simbologia numérica babilônica é representada como: 6 = Deus Menor, 60=Deus Maior e 600=Panteão, a estátua por ser de Ouro representava o panteão, assim, a somatória simples de 600+60+6 é o resultado de 666 ou Seiscentos Sessenta Seis.7 Assim, o estado pode obrigar a morte ou a privação completa de direitos aqueles que não cumprirem o que foi ordenado por Lei. Neste momento, um trecho profético à imagem da Besta é formada.

Superstições aos números[editar | editar código-fonte]
Os números 13 e 666 retêm um significado peculiar na cultura e psicologia das sociedades ocidentais. É perceptível como muitos tentam evitar os supostos números de "azar" 13 e 666; e as fobias a esses números são chamadas de "triscaidecafobia" e "hexacosioihexecontahexafobia", respectivamente. Por exemplo, quando a gigantesca fábrica de CPU Intel introduziu o Pentium III 666 MHz em 1999, eles escolheram para o mercado o Pentium III 667 com o pretexto de que a velocidade 666,666 MHz teria mais específicamente proximidade ao inteiro 667 do que o inteiro 666 MHz. Curiosamente, também, da mesma forma a empresa desenvolvedora de softwares Corel, ao lançar o que seria a versão 13 do seu conjunto de ferramentas para editorações gráficas, os lançou batizando-os de CorelDraw Graphics Suite X3, que é a versão 13 e posterior a versão 12, caracterizando assim sua superstição ao número.


Igreja Batista Ebenezer de Cristais

terça-feira, 23 de junho de 2015

A QUEDA DA BABILÔNIA - APOCALIPSE 18

A queda da grande meretriz anunciada pelo apóstolo João em Apocalipse 14.8, e ela recebeu o cálice da ira de Deus quando a sétima taça foi derramada (16.19).Agora um dos sete anjos que executavam os juízos das taças mostra com mais detalhes para João o julgamento da meretriz.

[...] Já conhecemos os personagens principais entre os inimigos do povo de Deus. Apareceu o dragão (capítulo 12), seguido pelas duas bestas (capítulo 13) e a grande meretriz (capítulo 17). Já sabemos o destino destes inimigos de Deus, pois o Cordeiro e seus fiéis são os vencedores, e seus adversários serão derrotados. Antes da identificação das características dos inimigos, a sétima trombeta já declarou: “O reino do mundo se tornou do nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará pelos séculos dos séculos” (11.15). Antes da descrição da grande meretriz vem a declaração da queda dela (14.8). Este e os subsequentes capítulos enfatizam o que já foi revelado – os verdadeiros vencedores são aqueles que adoram a Deus. Todos os outros adoradores da besta, à própria besta ao dragão que lhe dá poder serão derrotados. A partir deste capítulo, veremos a queda destes inimigos do Senhor. Surgiram numa sequencia (dragão, bestas, meretriz) e cairão na ordem invertida (meretriz, bestas, dragão). [Caiu! Caiu a Grande Babilônia – disponível: http://www.estudosdabiblia.net/b09_29.htm].

No capítulo 17 vimos que o aspecto religioso do império anticristão, a “mãe das meretrizes”, que é ao mesmo tempo a “grande cidade”, que será destruída pelos dez reis da terra e pelo Anticristo (Ap 17.16). Aqui no capítulo 18, a grande Babilônica, ou seja, o império anticristão, em sua grandeza política e econômica, é julgado por Deus mesmo: “Por isto em só dia sobrevirão os seus flagelos, morte pranto e fome, e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus que a julgou” (Ap 18.9).

1. João vê outro anjo. “Depois disso vi outro anjo descendo do céu. Ele tinha um grande poder, e o seu brilho iluminava toda a terra” (v. 1).

Aqui o anjo vem do céu enquanto que a besta surge do abismo (v. 8). O anjo desce do céu e tem grande autoridade para confirmar a sentença contra a Babilônia. Não há dúvida sobre a veracidade de sua mensagem. Quando o anjo desce João vê que o seu brilho iluminou a terra com a Sua glória: Deus é a verdadeira luz, e a sua glória ilumina (21.23; 1ª Jo 1.5). Pelo evangelho revelado, a glória de Deus traz iluminação (2ª Co 4.4-6; Ef 1.17-18). Aqui, então, aguardamos uma declaração de Deus que trará boas notícias aos servos fiéis.

2. A queda da Grande cidade. “Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu! Caiu a grande Babilônia e se tornou morada de demônios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável” (v.2).

Babilônia é uma forma grega. No hebraico do Antigo Testamento a palavra é simplesmente babel, cujo sentido é confusão em que tem caído a ordem social. Neste sentido é empregada simbolicamente. Nos escritos dos profetas do A.T., a palavra Babilônia quando não refere-se a cidade, no sentido literal, é empregada relativamente ao estado de “confusão” em que tem caído o mundo pagão.

Do modo como foi destruída a Antiga Babilônia (a cabeça de ouro da estátua (Dn 2)), por causa das suas abominações, também é anunciada a queda da Babilônia mística, o grande poder político-religioso liderado pela segunda besta o falso profeta (Ap 13.11).

Babilônia aqui não é apenas a Babilônia escatológica, mas a Babilônia atemporal, ou seja, é o sistema do mundo que se opõe contra Deus em todas as épocas. É um símbolo da rebelião humana contra Deus. No capítulo 17, Babilônia era a grande meretriz, a religião apóstata. No Capítulo 18 João vê a queda da Babilônia, a cidade da luxúria, a morada dos demônios, ‘A GRANDE MERETRIZ’.

Nos capítulos 17 a 18 do Apocalipse, Babilônia aparece em sentido duplo em cada secção: a primeira é vista do sentido político e religioso; enquanto que a segunda é contemplada do ponto de vista literal e comercial.

Um oráculo assombroso profetiza a queda desta cidade onde o poder satânico se congregava. Caiu! Caiu. A declaração repetida, com o verbo no passado, indica a absoluta certeza do cumprimento desta profecia. A antiga capital de Babilônia tornara-se assombrada, habitada por animais nocivos que provocam temor e superstição (cf, Is 13.19-22; 34.11-15; Jr 50.39; 51.37). Assim também acontecerá com esta futura fonte de corrupção diabólica. A besta, sobre a qual está assentada uma mulher (Ap 17), ou seja, o poder político mundial anticristão ligado à religião mundial unificada, a falsa igreja, então caiu.

A grande cidade que estava cheia de atividade e de pessoas poderosas e ricas torna-se uma cidade abandonada e suja (cf. Isaías 13.19-22). Mais uma vez, o contraste entre as duas principais cidades do livro torna-se evidente. A cidade mundana torna-se lugar deserto e imundo, ocupado por demônios e espíritos imundos. A cidade santa, a nova Jerusalém, será habitada por multidões na presença do Senhor, e “Nela, jamais penetrará coisa alguma contaminada” (21.27).

Note que o Senhor exclama duas vezes que a Babilônia caiu, podemos entendê-lo que o primeiro “caiu” refere-se ao mistério da prostituição do capítulo 17, ao falso culto sem Jesus Cristo e o segundo “caiu”, à “grande Babilônia”, onde este sistema é executado na prática.

3. O vinho da ira. “Pois todas as nações têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria” (v. 3).

O que diz o presente texto é o que aconteceu no Antigo Império Babilônico: o orgulho e a devassidão foram a causa primordial de sua queda. Daniel nos informa que na noite da invasão Medo-Persa sobre a cidade de Babilônia, todos os grandes do Império babilônico se encontravam embriagados e em extrema orgia (Dn 5). Na babilônia comercial e política, descrita neste capítulo, as mesmas coisas do passado serão praticadas, no que diz respeito a vida dissoluta: prostituição, comércio desonesto feitiçaria e idolatria.

Este versículo repete alguns dos motivos do castigo de Roma: Suas falsas doutrinas constituem o vinho da sua prostituição com o qual embriaga as nações da terra. As falsas doutrinas são comparadas ao vinho porque entorpecem a mente e, assim, afetam a capacidade de discernir e de raciocinar de uma pessoa. Tal como o vinho, as falsas doutrinas retiram da pessoa sua capacidade de discernir o erro. Não fosse pela ação danosa deste vinho que mantém as nações embriagadas, multidões seriam convencidas e convertidas pelas verdades claras contidas na Palavra de Deus. Mas o vinho da Babilônia é chamado de “vinho da ira”. Por quê? O vocábulo grego “thumos” significa ira, ódio, raiva. É uma raiva criada pelas falsas doutrinas. Assim, quando os reis da terra bebem deste vinho, são instigados pela cólera a irem contra os que não concordam com as heresias. Por isto, aquele que se nega a beber o vinho da Babilônia está marcado para pagar por sua ousadia.

Um anjo do céu anuncia a queda da Grande Babilônia. Este epíteto, tomado de Daniel 4.20, está ligado ao nome Babilônia (Ap 17.5), que significa grande confusão ou pandemônio. Babilônia, é uma figura de iniquidade religiosa, ou seja, uma comunhão de credos, igrejas seitas, filosofias, dentro da própria cristandade, liderada, ecumenicamente pelo falso profeta (Ap 17.9 - 1ª Pe 5.13). Sua queda é celebrada por antecipação, de acordo com Isaías 21.9, (caiu, caiu a Grande Babilônia) e está descrita nas visões dos capítulos 17 e 18, onde Babilônia é vista como uma mulher que deu de beber e embriagou a todas as nações com o vinho de sua fornicação, o equivale dizer: arrastou á idolatria (Jr 51.7).

4. Retirai-vos dela.
“Ouvi outra voz do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos” (v.4).

Antes que as poderosas palavras de juízo do anjo divino, que é o próprio Cristo, se cumpram sobre esta Babilônia, outra voz brada do céu – a voz de Deus.

A expressão “sai dela” é um imperativo, ou seja, uma ordem. Babilônia não pode ser reformada, de acordo com as Escrituras. Só há um remédio: separar-se completamente dela. Assim como Ló foi chamado para fora de Sodoma, antes que ela fosse destruída por fogo e enxofre (Gn 19.14-29), da mesma forma o povo de Deus é dirigido por uma voz que vem do Céu dizendo-lhe para sair de Babilônia, antes que ela caia.

Quando a velha Babilônia do rio Eufrates estava perto de ser destruída pelos juízos de Deus, o Senhor enviou a Seu povo (Israel), que nela ainda estava, um solene aviso através do profeta Jeremias dizendo: “Fugi do meio da Babilônia...” (Jr 51.6).

Retirar-se da Babilônia simboliza evitar toda a comunhão com os pecados do mundo pagão introduzidos no sincretismo religioso da falsa igreja. Mas, literalmente o anjo avisa os cristãos que hoje moram em Babilônia (a falsa igreja) para fugir dela antes de sua destruição, pois aqueles que se recusarem a separar-se de Babilônia e de seus pecados serão destruídos com ela.

Deus tem, e sempre teve, um povo em Babilônia. Quantas criaturas sinceras e boas, cujos sentimentos estão voltados para Deus, estão aprisionadas pelas amaras das tradições e enganos que lhes oferece a “Babilônia” dos nossos dias? Portanto, cabe a nós hoje, trazer um conselho de advertência para aqueles crentes sinceros que estão em babilônia: “Fugi do meio da Babilônia”.

5. O castigo que a Babilônia receberá.
“Dai-lhe em retribuição como ela retribuiu, pagai-lhe em dobro segundo suas obras, e no cálice em que ela misturou bebida, misturai dobrado para ela” (v.6).

A cidade usada para corromper as nações e levar ao mundo todo o tipo de falsa religiosidade receberá o castigo de Deus.

Os poderosos que comprometeram-se com as obras do maligno, a idolatria pagã, o materialismo, a luxuria, serão arruinados juntos.
Terrível é o dano produzido pela falsa igreja simbolizado por Babilônia. Incalculável, mais terrível, ainda, é o castigo eterno, com tormento e pranto, reservados para os que servem este sistema religioso.

6. Assentada como rainha. 
“Quanto a si mesma se glorificou e viveu em luxúria, dai-lhe em igual medida tormento, pranto, por diz consigo mesma: Estou sentada como rainha. Viúva não sou. Pranto, nunca hei de ver! Por isso, em só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus, que a julgou” (Ap 18.6-8).

No capítulo 17.3, ela está assentada sobre a besta, enquanto que aqui ela está sentada como rainha. Agora ela está sendo julgada pela sentença divina: “pagai-lhe em dobro”.

Ela se orgulha de não ser viúva sem poder e abandonada, mas de ser rainha soberana. Seu desejo é sempre reinar, reinar sobre todas as consciências. Orgulhosa, ela pensa que está assentada não somente em um lugar elevado, mas também seguro. Tem grande capacidade de comando sobre muita gente.

7. O lamento dos poderosos. “Ora, chorarão e se lamentarão sobre ela os reis da terra, que com ela se prostituíram e viveram em luxúria, quando virem a fumaceira do seu incêndio, e, conservando-se de longe, pelo medo do seu tormento, dizem: Ai! Ai! Tu, grande cidade, Babilônia, tu, poderosa cidade! Pois, em uma só hora, chegou o teu juízo. (v. 9-10). 

Os poderosos que se comprometem com a obra do maligno (a idolatria pagã, o materialismo, a luxuria) serão arruinados juntamente com Babilônia. Lamentam ao contemplar suas enormes perdas.

Os reis lamentar-se-ão não por causa dos seus pecados, e nem lagrimas de arrependimento, mas por causa do seu sofrimento, das consequências e pela perda da sua infra-instrutura. Como Caim, eles não ficam tristes por seus pecados, mas apenas pelo castigo. Lamentar-se-ão por causa de suas perdas.

Aqueles que vivem no luxo e nos prazeres, ignorando a Deus, serão abatidos pela Sua ira. Por isto, ela receberá um juízo, como nunca antes existiu nesta extensão. Duas afirmação mostram a rapidez deste juízo: “... em um só dia” (v. 8) e “... em uma só hora ficou devastada tamanha riqueza” (17). Sua tranquilidade hoje, será transformada em pânico naquele dia por isto eles dizem ai! Ai!

8. Os mercadores da terra lamentarão. “E, sobre ela, choram e pranteiam os mercadores da terra, porque já ninguém compra a sua mercadoria, mercadoria de ouro, de prata, de pedras preciosas, de pérolas, de linho finíssimo, de púrpura, de seda, de escarlata; e toda espécie de madeira odorífera, todo gênero de objeto de marfim, toda qualidade de móvel de madeira preciosíssima, de bronze, de ferro e de mármore” (v. 11-12).

Da mesma maneira como eram realizados grandes negócios e com excelentes lucros com as mercadorias na Babilônia dos caldeus, assim na Babilônia mística há mercadoria para serem negociadas.

Esta lista de produtos mostra a extrema riqueza da meretriz. Consumia todo tipo de mercadoria de luxo, até escravos. A opulência de Roma levou a cidade ao exagero de um consumismo desenfreado, e as nações exportadoras lucraram com isto.O profeta Ezequiel faz uma lista semelhante, quando Tiro era a grande cidade e enriquecia-se com o materialismo (Ez 26, 27 e 28).Estes versículos reforçam a interpretação da meretriz como símbolo de Roma e sua vida comercial e materialista. O material nobre são transformados em imagens de escultura, cordões, rosário, medalhões e relíquias para o comercio da meretriz.

A Bíblia afirma que os mercadores lamentar-se-ão pela perda: “Os mercadores destas coisas, que, por meio dela, se enriqueceram, conservar-se-ão de longe, pelo medo do seu tormento, chorando e pranteando” (v.15).

Entre as coisas que deixam de negociar encontram-se “até almas de homens”. Isto lembra o seu comércio com os cadáveres dos mortos nas chamadas “encomendas dos corpos”, missas de sétimo dia e indulgências para enriquecer a muitos. O que dizer do purgatório inventado para enriquecer este negócio profano e que permite a troca das almas por dinheiro de onde enche os celeiros da meretriz.
A cidade, simbolicamente chamada Babilônia, também será o centro comercial e econômico do mundo durante o reinado do Anticristo. Com o rompimento entre a Babilônia política representada pela besta e os reis confederados, e a Babilônia religiosa, que representa a cristandade apóstata, vai acontecer a destruição deste sistema religioso pelo poder da primeira besta (Ap 13) que meterá fogo sobre a sede deste governo (vvs. 17-19).

9. Haverá grande alegria no céu quando Deus julgar a Babilônia. “Exultai sobre ela, ó céus, e vós, santos, apóstolos e profetas, porque Deus contra ela julgou a vossa causa” (v.20).

Enquanto que na terra haverá lamentação, choro e pranto, no céu haverá alegria, gozo e júbilo. Os moradores do céu, e em especial os apóstolos e profetas, tem todos os motivos para interromper agora em alto júbilo, pois Deus executou seu juízo contra Babilônia, isto é, em favor dos santos eleitos. A injustiça do mundo anticristão, que por muito tempo ficou sem castigo, foi agora levado a clara luz de Deus e revelado diante de todo mundo. Por isto o céu magnífica e tributa louvores ao Criador.

10. Babilônia (Roma) será exterminada. 
“Então, um anjo forte levantou uma pedra como grande pedra de moinho e arrojou-a para dentro do mar, dizendo: Assim, com ímpeto, será arrojada Babilônia, a grande cidade, e nunca jamais será achada” (v.21).
O anjo forte, com seu ato de arrojar, a grande pedra, mostrou que Babilônia (Roma), haverá de cair violentamente, em súbita destruição. A pedra de moinho (em grego millos, onikos), aqui em foco, provavelmente deve ser aquela que somente os animais podiam fazer girar (Mc 9.42).

Afundar uma enorme pedra no mar, antigamente, era símbolo de eterna destruição. Este é o cumprimento daquilo que o profeta Jeremias escreveu (Jr 51.60-64).

Aqui, este juízo é então executado e Babilônia será lançada fora, como uma pedra jogada no fundo do mar. Quando este juízo tiver sido executado sobre a humanidade anticristã, então haverá um silêncio apavorante sobre a face da terra. É o que descreve João:

“E voz de harpistas, de músicos, de tocadores de flautas e de clarins jamais em ti se ouvirá, nem artífice algum de qualquer arte jamais em ti se achará, e nunca jamais em ti se ouvirá o ruído de pedra de moinho. Também jamais em ti brilhará luz de candeia; nem voz de noivo ou de noiva jamais em ti se ouvirá, pois os teus mercadores foram os grandes da terra, porque todas as nações foram seduzidas pela tua feitiçaria” (v. 22- 23).

Nenhum som e nenhuma luz. Isto é um sinal de uma cidade morta. E nem voz de noivo ou de noiva jamais em ti se ouvirá: O casamento sempre é um sinal de esperança, de planos para o futuro (Mt 24.38). Mas a Babilônia não tem futuro; não terá nela as vozes de noivos. A Babilônia mundial ficará completamente deserta.

Pois os teus mercadores foram os grandes da terra: A Babilônia foi exaltada e exercia poder e influência sobre os outros. Os motivos do castigo dela são resumidos em dois pontos: Porque todas as nações foram seduzidas pela tua feitiçaria: A meretriz seduziu as nações, que participaram com ela na sua prostituição. Este envolvimento dos povos com a Babilônia foi um dos pontos principais deste capítulo. Babilônia atraiu, enganou e embriagou as multidões com sua feitiçaria e sua prostituição. Aqui ela terá o seu fim.

Com todos os acontecimentos mundiais evidenciados e revelados na Palavra de Deus, os homens não aceitam a verdade como verdadeira. Se o fato de que a terra será aniquilada, fosse a base em que as pessoas edificassem suas vidas, muitas coisas seriam bem diferentes. Mas, até ao dia de hoje foi reprimido na consciência dos homens, que a terra terá um fim. Eles preferem seguir e aceitar os enganos da meretriz do crer nas verdades das Escrituras Sagradas. Embora Deus já tenha revelado as doutrina das últimas coisas na Sua Palavra, o homem continua ignorante. Por quê? Porque é uma escolha do homem de crer no engano no óbvio do que crer na verdade.

11. A justiça de Deus não falha.
“E nela se achou sangue de profetas, de santos e de todos os que foram mortos sobre a terra” (v.24).

Notamos mais uma vez o motivo maior do castigo de Roma. Ela perseguia os santos e embriagou-se com o sangue deles (17.6). Deus castiga a Babilônia como ato de justiça, trazendo a merecida vingança pela perseguição do povo do Senhor. A súplica do quinto selo está sendo respondida!

O Espírito Santo, prevendo todas essas coisas e sendo o guia e o consolador da verdadeira Igreja, já providenciou uma resposta divina para o perigoso, onipresente e renascido Sacro Império Romano. Na Bíblia, o Espírito de Deus expõe a igreja de Roma como sendo bela aos olhos deste mundo perdido, mas deplorável por sua apostasia. Para os que creem, ele quebrou seus encantamentos, arrancou sua máscara e escreveu com letras bem grandes seu nome para todos verem: MISTÉRIO, A GRANDE BABILÔNIA. Os cristãos verdadeiros devem comparar tudo com Palavra do Deus Eterno, Santo, Imutável, Todo-Poderoso, Onisciente e Sábio. Quando confrontados com o leviatã de Roma, os cristãos podem ter no Senhor uma confiança semelhante àquela de Davi quando comparou o poder de Golias ao do Deus Verdadeiro: “Tu vens a mim com espada, e com lança, e com escudo; porém eu venho a ti em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem tens afrontado” (1º Samuel 17.45). É tarefa do Senhor desfazer o iníquo pelo seu poder: “E então será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca, e aniquilará pelo esplendor da sua vinda” Até isto acontecer, multidões serão salvas dela “com temor, arrebatadas do fogo” (Jd 1.23). Esta promessa da graça deve-se à palavra da verdade do Evangelho. O Senhor Jesus Cristo, que é a cabeça exaltada da Igreja e o seu Espírito soberano, dão conforto e vitória pois “o evangelho de Cristo é o poder de Deus para a salvação” (Rm 1.16).
Igreja Batista Ebenezer de Cristais