Mostrando postagens com marcador VERDADE GOSPEL. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador VERDADE GOSPEL. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

ELIAS estava correndo na chuva

Ele foi consolado pelo seu Deus
1, 2. O que aconteceu no dia mais emocionante da vida de Elias?

ELIAS estava correndo na chuva enquanto a noite caía. Ele tinha um longo caminho a percorrer até Jezreel, e não era mais jovem. Mesmo assim, correu sem parar, porque “a própria mão de Jeová” estava sobre ele. A energia que fluía pelo seu corpo sem dúvida era diferente de tudo o que já tinha sentido na vida. Afinal, ele havia acabado de ultrapassar os cavalos que puxavam a carruagem do Rei Acabe. — Leia 1 Reis 18:46.

2 Agora era só ele e a estrada à sua frente. Imagine Elias correndo, com aquela chuva forte batendo em seu rosto, pensando naquele que tinha sido o dia mais emocionante da sua vida. Sem dúvida, foi uma vitória gloriosa para Jeová, o Deus de Elias, e para a adoração verdadeira. O imponente monte Carmelo tinha ficado bem para trás, perdido na escuridão da tempestade. Foi nesse monte que Jeová usou Elias para desferir um poderoso e milagroso golpe contra a adoração de Baal. Centenas de profetas de Baal foram expostos como impostores perversos e merecidamente executados. Depois, Elias orou a Jeová pedindo o fim da seca que afligia a região por três anos e meio. E as chuvas caíram! — 1 Reis 18:18-45.

3, 4. (a) Por que Elias talvez tivesse grandes expectativas enquanto ia a Jezreel? (b) Que perguntas consideraremos?

3 Enquanto corria aqueles 30 quilômetros até Jezreel, Elias talvez tivesse grandes expectativas. Parecia que finalmente havia chegado uma hora decisiva. Acabe teria de mudar! Depois do que esse rei viu, com certeza ele não teria outra opção senão abandonar a adoração de Baal, controlar sua esposa, a Rainha Jezabel, e acabar com a perseguição contra os servos de Jeová.

Elias corre na chuva e ultrapassa a carruagem do Rei Acabe
“Elias . . . foi correr adiante de Acabe até Jezreel”

4 Quando as coisas vão bem para nós, é natural ficarmos confiantes quanto ao futuro. Talvez pensemos que tudo vai continuar melhorando e que até os nossos piores problemas finalmente ficarão para trás. E não seria de admirar se Elias pensasse dessa maneira, afinal ele era um homem “com sentimentos iguais aos nossos”. (Tia. 5:17) Mas, na verdade, os problemas de Elias estavam longe de acabar. De fato, em questão de horas ele ficaria com tanto medo, tão desanimado, que desejaria morrer. Por quê? E como Jeová ajudou esse profeta a recuperar sua fé e coragem? Vejamos.

Uma virada nos acontecimentos
5. Será que Acabe aprendeu a ter mais respeito por Jeová depois dos acontecimentos no monte Carmelo, e como sabemos disso?

5 Quando Acabe chegou ao seu palácio em Jezreel, será que ele mostrou que havia mudado? O relato diz: “Acabe contou então a Jezabel tudo o que Elias tinha feito e tudo sobre como tinha matado todos os profetas à espada.” (1 Reis 19:1) Note que Acabe nem sequer mencionou o Deus de Elias, Jeová. Por ser um homem de mentalidade carnal, ele descreveu aqueles acontecimentos milagrosos em termos estritamente humanos: “O que Elias tinha feito.” Fica claro que ele não tinha aprendido a respeitar a Jeová Deus. E como sua esposa vingativa reagiu?

6. Que mensagem Jezabel enviou a Elias, e qual era o seu significado?

6 Jezabel ficou tão furiosa que enviou a seguinte mensagem a Elias: “Assim façam os deuses e assim lhe acrescentem mais, se nesta hora, amanhã, eu não fizer a tua alma igual à alma de cada um deles!” (1 Reis 19:2) Isso era uma terrível ameaça de morte. Na verdade, Jezabel estava jurando que ela mesma deveria morrer se não matasse Elias no dia seguinte para vingar os profetas de Baal. Imagine a cena naquela noite de tempestade: Elias é acordado de repente em algum alojamento em Jezreel e ouve as palavras aterrorizantes trazidas pelo mensageiro da rainha. Como ele se sentiu?

Vencido pelo medo e pela falta de coragem
7. Como Elias se sentiu diante da ameaça feita por Jezabel, e o que ele fez?

7 Se Elias achava que a guerra contra a adoração de Baal estava para acabar, suas esperanças foram por água abaixo naquele momento. Jezabel estava irredutível. Muitos outros profetas fiéis, amigos de Elias, já tinham sido executados às ordens dela, e agora parecia que ele seria o próximo. Como Elias se sentiu diante da ameaça feita por Jezabel? A Bíblia nos diz: “Ele ficou com medo.” Será que Elias visualizou a morte terrível que Jezabel planejava para ele? Se ele ficou pensando nisso, não é de admirar que tenha sentido medo. Seja como for, Elias ‘foi embora pela sua alma’ — ele fugiu para salvar a vida. — 1 Reis 18:4; 19:3.

Se queremos continuar corajosos, não podemos ficar pensando nos perigos que nos amedrontam

8. (a) Como o problema de Pedro era similar ao de Elias? (b) Que lição podemos aprender do que aconteceu com Elias e Pedro?

8 Elias não foi o único homem de fé a ser vencido pelo medo. Muito tempo depois, o apóstolo Pedro teve um problema similar. Quando Jesus fez com que Pedro andasse com ele sobre as águas, o apóstolo começou a ‘olhar para a ventania’. Então ficou com medo e começou a afundar. (Leia Mateus 14:30.) Assim, o que aconteceu com Elias e Pedro nos ensina uma lição valiosa. Se queremos continuar corajosos, não podemos ficar pensando nos perigos que nos amedrontam. Precisamos nos concentrar na Fonte de nossa esperança e força.

“Basta!”
9. Descreva a viagem de Elias e como ele talvez estivesse se sentindo.

9 O medo fez com que Elias fugisse para o sudoeste. Ele andou uns 150 quilômetros até Berseba, uma cidade perto da fronteira sul de Judá. Deixou seu ajudante ali e entrou no deserto sozinho. O registro diz que ele percorreu o “caminho de um dia”, por isso podemos imaginar Elias saindo ao nascer do sol, pelo visto sem levar nenhuma provisão. Abatido e impelido pelo medo, Elias seguiu caminho, enfrentando o calor causticante daquela região árida e inóspita. À medida que o Sol, em tom avermelhado, mergulhava no horizonte, as forças de Elias se esgotavam. Exausto, ele se sentou à sombra de um arbusto — o que havia de mais parecido a um abrigo naquela terra estéril. — 1 Reis 19:4.

10, 11. (a) Qual o significado da oração que Elias fez a Jeová? (b) Usando os textos citados, descreva os sentimentos de outros servos fiéis de Deus que ficaram abatidos.

10 Desesperado, Elias orou a Jeová pedindo para morrer. Ele disse: “Não sou melhor do que os meus antepassados.” Ele sabia que seus antepassados eram apenas pó e ossos na sepultura. Não podiam fazer nada por ninguém. (Ecl. 9:10) Elias se sentia tão inútil quanto eles. Não é de admirar que tenha clamado: “Basta!” Em outras palavras, por que continuar vivendo?

11 Deveríamos ficar chocados de saber que um homem de Deus ficou tão abatido assim? Não necessariamente. A Bíblia fala de muitos homens e mulheres fiéis que ficaram tão tristes que desejaram morrer — entre esses estão Rebeca, Jacó, Moisés e Jó. — Gên. 25:22; 37:35; Núm. 11:13-15; Jó 14:13.

12. Se algum dia você se sentir muito desanimado, como poderá imitar o exemplo de Elias?

12 Hoje vivemos em “tempos críticos, difíceis de manejar”. Por isso, não nos surpreende que muitos, até mesmo servos fiéis de Deus, às vezes se sintam desanimados. (2 Tim. 3:1) Se você algum dia se sentir assim, siga o exemplo de Elias: derrame seu coração a Deus. Afinal, Jeová é “o Deus de todo o consolo”. (Leia 2 Coríntios 1:3, 4.) Será que ele consolou Elias?

Jeová sustentou seu profeta
13, 14. (a) Como Jeová, por meio de um anjo, mostrou preocupação amorosa por seu profeta deprimido? (b) Por que é consolador saber que Jeová conhece bem cada um de nós, incluindo nossas limitações?

13 Como você acha que Jeová, lá no céu, se sentiu ao ver seu amado profeta debaixo daquele arbusto no deserto suplicando para morrer? O relato nos dá a resposta. Depois de Elias cair no sono, Jeová enviou um anjo. Com um toque suave, o anjo o acordou e disse: “Levanta-te, come.” Elias fez isso, pois o anjo tinha providenciado para ele uma refeição simples — pão quente e água fresca. Será que ele pelo menos agradeceu ao anjo? O relato diz apenas que o profeta comeu, bebeu e voltou a dormir. Será que ele estava tão deprimido que nem conseguia falar? Seja como for, o anjo o acordou pela segunda vez, talvez ao amanhecer. Mais uma vez ele disse a Elias: “Levanta-te, come”, e acrescentou estas palavras tocantes: “Porque a viagem é demais para ti.” — 1 Reis 19:5-7.

14 Graças ao discernimento dado por Deus, o anjo sabia para onde Elias estava indo. Ele também sabia que a viagem era difícil demais para Elias fazer nas suas próprias forças. Como é consolador servir a um Deus que conhece nossos objetivos e limitações melhor do que nós mesmos! (Leia Salmo 103:13, 14.) O que aquela refeição fez por Elias?

15, 16. (a) A nutrição dada por Jeová tornou possível que Elias fizesse o quê? (b) Por que devemos ser gratos pelo modo como Jeová sustenta seus servos hoje?

15 O relato diz: “Levantou-se . . . e comeu e bebeu, e foi indo no poder desta nutrição por quarenta dias e quarenta noites, até o monte do verdadeiro Deus, Horebe.” (1 Reis 19:8) Assim como aconteceu com Moisés uns seis séculos antes e com Jesus quase dez séculos depois, Elias jejuou por 40 dias e 40 noites. (Êxo. 34:28; Luc. 4:1, 2) Aquela refeição não resolveu todos os seus problemas, mas o sustentou de maneira milagrosa. Imagine aquele homem idoso andando com esforço por aquele deserto sem estradas dia após dia, semana após semana, por quase um mês e meio!

16 Jeová também sustenta seus servos hoje, não com refeições milagrosas, mas de uma forma muito mais importante: ele faz provisões espirituais. (Mat. 4:4) Aprender sobre Deus por meio de sua Palavra e de publicações cuidadosamente baseadas na Bíblia nos sustenta em sentido espiritual. Absorver essa nutrição talvez não resolva todos os nossos problemas, mas nos ajuda a suportar o que seria insuportável. Esse alimento espiritual nos conduz à “vida eterna”. — João 17:3.

17. Para onde Elias foi, e por que aquele lugar era importante?

17 Elias caminhou quase 320 quilômetros até finalmente chegar ao monte Horebe (monte Sinai). Aquele era um lugar de grande importância, pois foi ali que Jeová Deus, muito tempo antes, havia aparecido a Moisés no espinheiro ardente por meio de um anjo, e onde mais tarde Jeová havia feito o pacto da Lei com Israel. Ali, Elias se abrigou numa caverna.

Como Jeová fortaleceu e consolou seu profeta
18, 19. (a) Que pergunta o anjo de Jeová fez a Elias, e como ele respondeu? (b) Por que três motivos Elias estava desanimado?

18 No monte Horebe, Elias ouviu a “palavra” de Jeová, pelo visto por meio de um anjo: “Que estás fazendo aqui, Elias?” É provável que essa pergunta tenha sido feita de uma forma gentil, pois Elias a entendeu como um convite para desabafar. E foi isso o que ele fez! Ele disse: “Fui absolutamente ciumento por Jeová, o Deus dos exércitos; pois os filhos de Israel abandonaram o teu pacto, derrubaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada, de modo que só eu fiquei; e estão começando a procurar a minha alma para a tirar.” (1 Reis 19:9, 10) As palavras de Elias revelam pelo menos três motivos para seu desânimo.

19 Primeiro, Elias achava que seu trabalho tinha sido em vão. Apesar de ter sido “absolutamente ciumento” no serviço de Jeová durante anos, colocando o nome sagrado de Deus e Sua adoração acima de tudo, Elias viu que as coisas pareciam estar piorando. O povo ainda não mostrava fé e era rebelde, ao passo que a religião falsa prosperava. Segundo, Elias se sentia sozinho. “Só eu fiquei”, disse ele, achando que era o único homem em Israel que ainda servia a Jeová. Terceiro, Elias estava com medo. Muitos de seus amigos, também profetas, já haviam sido mortos, e ele tinha certeza de que seria o próximo. Não deve ter sido fácil para Elias admitir esses sentimentos, mas ele não permitiu que o orgulho ou a vergonha o impedissem de fazer isso. Por abrir seu coração a Deus em oração, ele deu um excelente exemplo a todos os servos fiéis de Deus. — Sal. 62:8.

20, 21. (a) Descreva o que Elias viu da entrada da caverna no monte Horebe. (b) O que as demonstrações do poder de Jeová ensinaram a Elias?

20 Como Jeová lidou com os temores e as preocupações de Elias? O anjo disse a Elias para ele ficar na entrada da caverna. Ele obedeceu, sem ter ideia do que estava para acontecer. De repente, começou a soprar um vento forte! O som deve ter sido ensurdecedor, pois esse vento era tão forte que partia montes e rochedos. Imagine Elias tentando proteger seus olhos e segurando sua capa rústica de pelo, que batia nele por causa das fortes rajadas de vento. Depois ele teve de lutar para manter o equilíbrio, pois o chão começou a tremer — era um terremoto! Ele mal tinha se recuperado quando surgiu um grande fogo, forçando-o a voltar à caverna para se proteger do calor intenso. — 1 Reis 19:11, 12.

Elias, na entrada da caverna, se protegendo do fogo
Jeová usou seu imenso poder para consolar e encorajar Elias

21 O relato nos traz à atenção que Jeová não estava em nenhuma dessas demonstrações espetaculares do poder da natureza. Elias sabia que Jeová não é um deus mítico da natureza, como Baal, que na ilusão de seus adoradores era considerado o “cavaleiro das nuvens”, ou aquele que trazia as chuvas. Jeová é a verdadeira Fonte de todo o espantoso poder encontrado na natureza, mas ele é muito maior do que qualquer coisa que tenha criado. Nem mesmo os céus físicos o podem conter! (1 Reis 8:27) Como tudo isso ajudou Elias? Lembre-se que ele estava com medo. Com um Deus como Jeová do seu lado, um Deus que tem todo esse imenso poder à disposição, Elias não precisava temer Acabe nem Jezabel. — Leia Salmo 118:6.

22. (a) Como a “voz calma, baixa”, garantiu a Elias que ele tinha muito valor? (b) De quem talvez tenha sido a “voz calma, baixa”? (Veja a nota.)

22 Depois do fogo, veio uma calmaria, e Elias ouviu “uma voz calma, baixa”. Essa voz convidou Elias a falar novamente. Então, pela segunda vez, Elias expressou suas preocupações.* Talvez isso tenha feito ele se sentir mais aliviado. Mas, sem dúvida, Elias se sentiu muito mais consolado com o que aquela “voz calma, baixa”, disse a seguir. Jeová garantiu a Elias que ele tinha muito valor. Como? Deus revelou muitas coisas que faria mais tarde contra a adoração de Baal em Israel. Com certeza, o trabalho de Elias não tinha sido em vão, visto que o propósito de Jeová estava em andamento e nada impediria o seu avanço. Além disso, Elias ainda fazia parte desse propósito, pois Jeová disse para ele retomar seu serviço, dando-lhe instruções específicas. — 1 Reis 19:12-17.

23. De que duas maneiras Jeová ajudou Elias a lidar com sua solidão?

23 Que dizer da solidão que Elias sentia? Jeová fez duas coisas a respeito disso. Primeiro, ele disse a Elias para ungir Eliseu como o profeta que com o tempo o sucederia. Esse jovem se tornaria o companheiro e ajudante de Elias por vários anos. Que provisão prática e consoladora! Segundo, Jeová lhe deu esta emocionante notícia: “Deixei sete mil remanescer em Israel, todos os joelhos que não se dobraram diante de Baal e toda boca que não o beijou.” (1 Reis 19:18) Elias não estava sozinho! Ele deve ter ficado muito feliz de saber que milhares de pessoas fiéis tinham se recusado a adorar Baal. Elas precisavam que Elias continuasse seu serviço fiel e fosse um exemplo de lealdade inabalável a Jeová naqueles tempos difíceis. Elias deve ter ficado profundamente emocionado de ouvir aquelas palavras do representante de Jeová, a “voz calma, baixa”. Para Elias, era como se o próprio Deus tivesse falado com ele.

A Bíblia pode ser como aquela “voz calma, baixa”, se permitirmos que ela nos oriente hoje

24, 25. (a) Em que sentido podemos escutar a “voz calma, baixa”, de Jeová hoje? (b) Por que podemos ter certeza de que Elias aceitou o consolo que Jeová lhe deu?

24 Assim como Elias, talvez fiquemos assombrados com as impressionantes forças da natureza evidentes na criação. E isso é natural, pois a criação reflete de forma clara o poder do Criador. (Rom. 1:20) Jeová ainda tem prazer em usar seu poder ilimitado para ajudar seus servos fiéis. (2 Crô. 16:9) No entanto, Deus fala conosco mais plenamente por meio das páginas de sua Palavra, a Bíblia. (Leia Isaías 30:21.) Em certo sentido, a Bíblia pode ser como aquela “voz calma, baixa”, se permitirmos que ela nos oriente hoje. Em suas valiosas páginas, Jeová nos corrige, encoraja e garante seu amor.

25 Será que Elias aceitou o consolo que Jeová lhe deu no monte Horebe? Com certeza! Em pouco tempo, aquele profeta corajoso e fiel, que havia lutado contra a religião falsa, estava de volta à ação. Se também dermos atenção às palavras inspiradas de Deus, o “consolo das Escrituras”, conseguiremos imitar a fé de Elias. — Rom. 15:4.

A origem dessa “voz calma, baixa”, talvez tenha sido o mesmo espírito usado para transmitir “a palavra de Jeová” mencionada em 1 Reis 19:9. No versículo 15, esse espírito é descrito simplesmente como “Jeová”. Isso talvez nos lembre do anjo que Jeová usou para guiar Israel no deserto e de quem ele disse: “Meu nome está nele.” (Êxo. 23:21) É claro que não podemos ser categóricos nesse assunto, mas vale a pena ressaltar que, em sua existência pré-humana, Jesus atuou como “a Palavra”, o Porta-Voz especial para os servos de Jeová. — João 1:1.
É necessário que ela cresça e eu diminua João 3:30

domingo, 9 de setembro de 2018

Rosh Hashaná O Ano Novo Judaico

O Ano Novo judaico é o Dia do Julgamento, quando D'us determina o destino de cada um para o ano que se inicia. Parte principal do serviço de Rosh Hashaná é o toque do shofar que desperta as pessoas para o arrependimento.

Rosh Hashaná é o aniversário do universo, o dia em que D'us criou Adam e Eva, e é celebrado como o mais importante do ano judaico. Começa ao pôr do sol na véspera de 1º de Tishrei (9 de setembro de 2018) e termina após o anoitecer em 2 de Tishrei (11 de setembro de 2018).

As observâncias de Rosh Hashaná incluem acendimento de velas à noite, refeições festivas com doces durante a noite e o dia, serviços de prece que incluem o toque do shofar (chifre de carneiro) nas duas manhãs, e não fazer trabalho criativo.
É necessário que ela cresça e eu diminua João 3:30

segunda-feira, 5 de março de 2018

Destruição da Síria é cumprimento de profecia bíblica?

Ghouta Oriental era parte de Damasco nos dias do Antigo Testamento
Desde o ano passado, quando o cenário de destruição na Síria começou a se aproximar da capital Damasco, alguns teólogos vêm fazendo diferentes análises sobre a possibilidade de isso ser o cumprimento, em nossos dias, de antigas profecias bíblicas.

A partir do último dia 18 de fevereiro, as tropas do presidente sírio Basha Al Assad começaram um bombardeio maciço nos subúrbios ao Leste da capital, na região de Ghouta Oriental. Com cerca de 400 mil moradores e dominada por forças rebeldes ao regime, quase que diariamente há notícias de dezenas de civis mortos após os ataques.

A ONU tentou negociar uma trégua, que incluiria um cessar-fogo de 30 dias, quando seria possível evacuar a região. Porém, ela não foi seguida e agora surgem denúncias do uso de armas químicas. O conflito em Ghouta se estende desde 2013. Distando cerca de 15 km de Damasco, uma derrota ali permitiria que os opositores do presidente conquistassem a capital, ponto fim ao regime atual.

Ainda que alguns estudiosos descrevam essa lamentável crise humanitária como evidência do cumprimento de profecias bíblicas, há quem classifique essa conexão como “irresponsável” e “equivocada”.

Os textos mais citados são Isaías 17 e Jeremias 49, que falam sobra a destruição de Damasco, que se tornaria um “montão de ruínas”.

Para o renomado escritor evangélico Joel Rosenberg, “Estamos vendo o que parece o fim de Damasco. Não sabemos se esse é o prelúdio para o cumprimento dessas profecias. Porém, Damasco é a cidade mais antiga da Terra a ser habitada continuamente. O fato de ela estar sendo destruída é algo extraordinário… No passado, ela foi atacada, sitiada e conquistada, mas nunca ficou completamente destruída e desabitada”.

Autor de vários livros sobre escatologia, Rosenberg lembra que “O profeta Ezequiel escreveu há 2.500 anos que, nos ‘últimos dias’, a Rússia [Gogue?] e o Irã [Pérsia] formarão uma aliança militar para atacarem Israel pelo norte. Os estudiosos da Bíblia chamam este conflito escatológico, descrito em Ezequiel 38 e 39 de a guerra de Gogue e Magogue”. O teólogo acredita que a participação ativa de Moscou e Teerã neste conflito nos últimos anos não é apenas uma coincidência, mas um cumprimento profético.

Lançado em 2016, o livro “Armageddom Code” [O código do Armagedom] do jornalista cristão
Billy Hallowell possui uma interpretação muito similar a maneira como as cidades e países mencionados no “cenário dos últimos dias” podem ser facilmente identificadas em muitas reportagens exibidas recentemente na TV.

O grande drama humanitário do Oriente Médio poderá ficar ainda pior nas próximas semanas, uma vez que tantos os Estados Unidos quanto o Reino Unidos ameaçam bombardear Damasco, caso fique comprovado o uso de armas químicas, que violam os acordos da ONU. Embora o alvo primordial seria os arsenais de Assad, isso poderia, definitivamente, fazer com que a capital Síria se torne “um montão de ruínas”.

Cabe ressaltar que, a geografia bíblica é distinta da atual e nos dias do Antigo Testamento, a localização de Damasco incluía o que hoje é Ghouta, palavra que significa “oásis” e faz referência a uma fonte de água no deserto, condição essencial para o estabelecimento de cidades na antiguidade.

Profecia cumprida no passado
A ideia que não faria sentido relacionar os eventos atuais com a profecia bíblica é rejeitada por eruditos que acreditam que tanto Isaías quanto Ezequiel se referiam a algo que já ocorreu: o ataque dos assírios contra Damasco no ano 732 a.C.

É o que defende Hank Hanegraaff, teólogo com vários livros publicados no Brasil, e apresentador do programa de rádio “Bible Answer Man”, onde esclarece dúvidas sobre a Bíblia. Questionado por um ouvinte sobre o texto de Isaías 17, foi enfático: “Usar essa passagem de Isaías para explicar o que está acontecendo atualmente na Síria é um bom exemplo “escatologia de imprensa”. É uma vergonha os pastores fazerem isso. Ou eles não conhecem a palavra de Deus ou quererem promover o sensacionalismo e sofismas”.

Hanegraaff defende a ideia, comum nos seminários tradicionais, que Isaías 17 foi cumprido há milhares de anos. “Se olharmos para o que a Bíblia realmente diz, fica muito claro que o cumprimento da profecia também é relatado pelo texto bíblico. Se você olhar para o que começa a ser dito em Isaías 7, verá uma permutação, e seu cumprimento é descrito no capítulo seguinte, em Isaías 8”.

No entendimento de Hanegraaff, quem foge da interpretação histórica dessas passagens está tentando “encaixar as profecias em suas próprias visões escatológicas”.

Ele não está sozinho. A doutora Candida Moss, professora de Novo Testamento e Cristianismo Primitivo na Universidade Católica de Notre Dame, também acredita que a prometida destruição de Damasco ocorreu no século VIII antes de Cristo, mais especificamente na sua conquista pelos assírios, em 732 a.C. “Porém, essa não foi a única vez que Damasco testemunhou grandes conflitos”, sublinha Moss.

Entre os conquistadores de cidade, sempre com algum tipo de destruição, incluem-se o rei Nabucodonosor, da Babilônia, e o rei grego Alexandre, o Grande. Menos conhecido no Ocidente, o general islâmico Khalid ibn al-Walid, fez um cerco militar à cidade, no século 7. Posteriormente, na início do século 15, os exércitos turco-mongóis de Timur-i-Lenk (Tamerlão, em português) conquistaram Damasco, matando toda a sua população. Com informações de CBN
É necessário que ela cresça e eu diminua João 3:30

sábado, 20 de janeiro de 2018

HÁ ESPERANÇA PARA NÓS.

"Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus
renovos." Jó 14:7 As situações adversas vêm como vento contrário em nossas vidas, fazendo muitas
vezes com que percamos as esperanças, e até desacreditemos nas promessas do Senhor, mas se estivermos com nossas raízes firmes na palavra de Deus, passaremos pelas tempestades !!! Podemos perder as folhas, galhos, e até o tronco, mas o segredo está na raiz. Onde estamos arraigados ??? Se nossas raízes estão no Senhor, então HÁ ESPERANÇA PARA NÓS. Oração: Pai querido, que nós sejamos como arvores plantadas junto a ribeiros de águas, que possamos estar arraigados no Senhor e na tua palavra, que não sejamos somente ouvintes mas também praticantes da tua verdade, ajuda-nos a confiar no Senhor quando os ventos parecem que vão nos derrubar. Senhor nossa esperança está em Ti, oramos em nome do Senhor Jesus Cristo, autor e consumador da nossa fé !!! Amém !!! DEVOCÍONAL









É necessário que ela cresça e eu diminua João 3:30

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Sobrevivente do acidente da Chapecoense, zagueiro Neto lança livro com mensagem de esperança

Um relato de esperança, das dificuldades, da fé em Deus. O livro do zagueiro Neto, um dos sobreviventes do acidente com o avião da Chapecoense, será lançado nesta quinta-feira, às 14h, na Bienal do Livro, no Rio de Janeiro. Intitulado "Posso crer no amanhã", a obra traz um pouco da história do atleta, as pessoas que estavam no voo em novembro do ano passado e a gravidez da esposa.

— Mensagem de esperança pra humanidade, que o amanhã sempre vai ser melhor que o hoje. O livro é um relato da minha vida toda, de tudo que aconteceu, das dificuldades que tive, dos momentos de superação. Todos os momentos que eu consegui dar a volta por cima foram de muita fé em Deus. Então é isso que vou tentar passar a todos. A Bíblia tem esse versículo que diz "tudo é possível à aquele que crê" — salienta Neto.

Ainda não há data prevista para o lançamento do livro em Santa Catarina. Neto tem sessão de autógrafos no sábado, às 19h, no Shopping New York, no Rio, e depois vai a São Paulo, dias 22 e 23, e Belo Horizonte, dia 30.

segunda-feira, 25 de julho de 2016

marcha pra Jesus de Campo Belo Veja as Fotos No Blog

Tivemos uma turma abençoada na marcha pra Jesus de Campo Belo, Foi Benção  marchamos, profetizamos, determinamos a Vitória, marcar uma história com uma  geração de profetas sacerdotes de cristais, para  profetizando sobre a rua de Campo Belo, realizando um ato profético, profetizamos o tempo de conquista, Tempo de Vitória, temos que almejar para viver Tempo de Vitória, tempo de avivamento, eu creio, determine um tempo dê muitas benção, para Glória e Honra de Nosso Senhor Jesus Cristo
A Marcha para Jesus é um evento interdenominacional promovido em diversas cidades brasileiras com apoio das mais diferentes igrejas, desde as mais tradicionais até neopentecostais

A Marcha para Jesus tem algumas finalidades importantíssimas no mundo espiritual. Primeiro, declarar que Cristo é o Senhor da Minha Cidade e do Brasil. Segundo, declarar profeticamente a bênção de Deus sobre o nosso estado e o nosso país. Terceiro, reafirmar princípios irrevogáveis da nossa fé. Por último, a Marcha representa a unidade da Igreja celebrada, pois o evento não é de denominação alguma, nem de pastor; é do povo de Deus. Tendo em vista esses atributos, o foco principal é anunciar o evangelho
A Marcha para Jesus, portanto, tem de ser um contraponto. Declaro profeticamente, em nome de Jesus, que que o inimigo está derrotado.


























































É necessário que ela cresça e eu diminua João 3:30

REFLEXÃO DO DIA

Membra-se na rede

VerdadeGospel | Todos os direitos reservados PrJoãoMonteiro