A LÍNGUA É UM FOGO, COMO MUNDO DE INIQUIDADE Lingua e Venenosa

LÍNGUA VENENOSA



* MENSAGEM TIAGO CAPÍTULO 3

Essa é uma constatação triste porém real, a nossa lígua é venenosa (Tg 3:8) mesmo que você seja uma pessoa boa, correta, cheia de Deus, você deve se conscientizar que sua língua é em essência má, sendo essa parte do nosso corpo descrita como mundo de iniquidade sendo capaz de contaminar todo o corpo, alterando o curso da nossa vida. A língua é influenciada pelo inferno (Tg 3:6).

CRITÉRIO DE SANTIDADE



Um dos melhores indicativos de caráter e santidade na vida de uma pessoa é o conteúdo da sua conversa. Observe se a pessoa é coerente, se suas atitudes confirmam suas palavras. Esse é o ponto chave do domínio próprio, por exemplo: Fala sobre amor ao próximo e suas palavras são confirmadas pelo bom tratamento com as pessoas da família, trabalho, desconhecidos e até inimigos. Para sermor cristãos equilibrados e coerentes devemos praticar o domínio próprio com a língua, sendo comprometidos com a verdade. Assim a pessoa que não comete erros no seu falar indica ser uma pessoa perfeita e capaz de dominar todo o corpo (Tg 3:2).

* CARÁTER DE DEUS

- Deus julga quem é mestre com maior rigor (Tg 3:1)
- A sabedoria de Deus é primeiramente pura, depois pacífica amável, compreensiva, cheia de misericórdia, bons frutos, imparcial e sincera (Tg 3:17)

* PRINCÍPIOS E VALORES

- Se você não tropeça nas coisas que você fala, você é capaz de dominar todo seu corpo (Tg 3:2)
- Não saia da sua boca benção e maldição ao mesmo tempo (Tg 3:10)
- O fruto da justiça é semeado na paz para aqueles que praticam a paz (Tg 3:18)

CARÁTER DO INIMIGO

- Conter no coração inveja amarga e ambição egoísta é um tipo de "sabedoria" terrena e demoníaca, onde existe cíume e contenda existe também confusão e toda espécie de males (Tg 3:15,16)

A língua [dos perversos] é uma flecha mortal; eles falam traiçoeira-mente. Cada um mostra-se cordial com o seu próximo, mas no íntimo lhe prepara uma armadilha. Jeremias 9:8 Estudos dão conta de que o homem fala em média 20 mil palavras por dia, e a mulher 30 mil. Daí podemos apenas imaginar ou perceber o poder que está em nossa língua tanto para o bem como para o mal. Enquanto Tiago compara a língua a um fogo que devora, queima e destrói, Jeremias a compara a uma flecha mortal. Naquele tempo, a flecha era a arma que atingia mais rapidamente uma Pessoa. Era inesperada e venenosa, rápida e cortante. Causava feridas profundas. Quem sabe hoje, se fôssemos atualizar o texto de Jeremias, diríamos assim: “Suas palavras são como tiros de um fuzil de mira telescópica, com silencia dor.” Você mal ouve o barulho, mas é surpreendido. Apenas sente o impacto. Não sabe por que e nem imagina quem foi o autor do disparo. Não sabe de onde veio; mas foi atingido. Existe uma flecha mais venenosa do que essa. É muito mais prejudicial porque não atinge apenas o corpo, mas fere profundamente a alma. É uma flecha que mancha a reputação do outro, inventa o que ele não disse e insinua intenções maldosas, espalha informação falsa sobre os outros com a intenção de feri-los. É uma flecha que tem arruinado muitos casamentos, e tem feito muitos perderem o emprego e posições. Ela já arruinou o futuro de milhares de pessoas.
O nome dessa flecha é calúnia, mas também é conhecida como difamação.
O ditado diz: “A calúnia é como o carvão, quando não queima, suja.” Os rabinos ensinavam que a calúnia era pior do que o incesto, a idolatria e o tirar a vida de alguém, porque matava três pessoas de uma só vez: o calunia-dor, o caluniado e quem escutou.
O cristão verdadeiro está convicto de que o tecido das relações humanas está entremeado da verdade. Quando há desconfiança e medo, os relacionamentos são fragilizados. Por isso, hoje todos apreciamos aquilo que chamamos de transparência. Não há nada escondido, mas existe lealdade e consistência. “Não saia dos vossos lábios nenhuma palavra inconveniente [que fira, machuque, destrua, arruíne], mas, na hora oportuna, a que for boa para edificação, que comunique graça aos que a ouvirem” (Ef 4:29, Bíblia de Jerusalém).
Nossa oração deve ser, neste dia: “Coloca, Senhor, uma guarda à minha boca; vigia a porta de meus lábios” (Sl 141:3).
Igreja Batista Ebenezer de Cristais
Compartilhar no Google Plus

About Pr joão Monteiro

Postar um comentário

Obrigado Pela Sua Visita

Membra-se na rede

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

A LÍNGUA É UM FOGO, COMO MUNDO DE INIQUIDADE Lingua e Venenosa

LÍNGUA VENENOSA



* MENSAGEM TIAGO CAPÍTULO 3

Essa é uma constatação triste porém real, a nossa lígua é venenosa (Tg 3:8) mesmo que você seja uma pessoa boa, correta, cheia de Deus, você deve se conscientizar que sua língua é em essência má, sendo essa parte do nosso corpo descrita como mundo de iniquidade sendo capaz de contaminar todo o corpo, alterando o curso da nossa vida. A língua é influenciada pelo inferno (Tg 3:6).

CRITÉRIO DE SANTIDADE



Um dos melhores indicativos de caráter e santidade na vida de uma pessoa é o conteúdo da sua conversa. Observe se a pessoa é coerente, se suas atitudes confirmam suas palavras. Esse é o ponto chave do domínio próprio, por exemplo: Fala sobre amor ao próximo e suas palavras são confirmadas pelo bom tratamento com as pessoas da família, trabalho, desconhecidos e até inimigos. Para sermor cristãos equilibrados e coerentes devemos praticar o domínio próprio com a língua, sendo comprometidos com a verdade. Assim a pessoa que não comete erros no seu falar indica ser uma pessoa perfeita e capaz de dominar todo o corpo (Tg 3:2).

* CARÁTER DE DEUS

- Deus julga quem é mestre com maior rigor (Tg 3:1)
- A sabedoria de Deus é primeiramente pura, depois pacífica amável, compreensiva, cheia de misericórdia, bons frutos, imparcial e sincera (Tg 3:17)

* PRINCÍPIOS E VALORES

- Se você não tropeça nas coisas que você fala, você é capaz de dominar todo seu corpo (Tg 3:2)
- Não saia da sua boca benção e maldição ao mesmo tempo (Tg 3:10)
- O fruto da justiça é semeado na paz para aqueles que praticam a paz (Tg 3:18)

CARÁTER DO INIMIGO

- Conter no coração inveja amarga e ambição egoísta é um tipo de "sabedoria" terrena e demoníaca, onde existe cíume e contenda existe também confusão e toda espécie de males (Tg 3:15,16)

A língua [dos perversos] é uma flecha mortal; eles falam traiçoeira-mente. Cada um mostra-se cordial com o seu próximo, mas no íntimo lhe prepara uma armadilha. Jeremias 9:8 Estudos dão conta de que o homem fala em média 20 mil palavras por dia, e a mulher 30 mil. Daí podemos apenas imaginar ou perceber o poder que está em nossa língua tanto para o bem como para o mal. Enquanto Tiago compara a língua a um fogo que devora, queima e destrói, Jeremias a compara a uma flecha mortal. Naquele tempo, a flecha era a arma que atingia mais rapidamente uma Pessoa. Era inesperada e venenosa, rápida e cortante. Causava feridas profundas. Quem sabe hoje, se fôssemos atualizar o texto de Jeremias, diríamos assim: “Suas palavras são como tiros de um fuzil de mira telescópica, com silencia dor.” Você mal ouve o barulho, mas é surpreendido. Apenas sente o impacto. Não sabe por que e nem imagina quem foi o autor do disparo. Não sabe de onde veio; mas foi atingido. Existe uma flecha mais venenosa do que essa. É muito mais prejudicial porque não atinge apenas o corpo, mas fere profundamente a alma. É uma flecha que mancha a reputação do outro, inventa o que ele não disse e insinua intenções maldosas, espalha informação falsa sobre os outros com a intenção de feri-los. É uma flecha que tem arruinado muitos casamentos, e tem feito muitos perderem o emprego e posições. Ela já arruinou o futuro de milhares de pessoas.
O nome dessa flecha é calúnia, mas também é conhecida como difamação.
O ditado diz: “A calúnia é como o carvão, quando não queima, suja.” Os rabinos ensinavam que a calúnia era pior do que o incesto, a idolatria e o tirar a vida de alguém, porque matava três pessoas de uma só vez: o calunia-dor, o caluniado e quem escutou.
O cristão verdadeiro está convicto de que o tecido das relações humanas está entremeado da verdade. Quando há desconfiança e medo, os relacionamentos são fragilizados. Por isso, hoje todos apreciamos aquilo que chamamos de transparência. Não há nada escondido, mas existe lealdade e consistência. “Não saia dos vossos lábios nenhuma palavra inconveniente [que fira, machuque, destrua, arruíne], mas, na hora oportuna, a que for boa para edificação, que comunique graça aos que a ouvirem” (Ef 4:29, Bíblia de Jerusalém).
Nossa oração deve ser, neste dia: “Coloca, Senhor, uma guarda à minha boca; vigia a porta de meus lábios” (Sl 141:3).
Igreja Batista Ebenezer de Cristais
Postar um comentário